quarta-feira, 9 de outubro de 2019


"A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!" (Mateus 6:22,23)


terça-feira, 8 de outubro de 2019


Nós, espíritas, gostamos de afirmar que o acaso não existe. E isto é verdade, porque tudo que habita, se move, pensa e realiza no mundo provém de Deus, Suprema Inteligência do Universo.
Nada igualmente é criado - principalmente pelo homem, por acaso. Tudo tem uma finalidade, tem um objetivo nobre, por mais que nos seja difícil reconhecer tal fato.
Existem estilos musicais que são profundamente detestados. Muitos classificam o rock, por exemplo, como expressão demoníaca. Outros afirmam que a sua manifestação deveria ser proibida, para evitar a perdição dos jovens em seus labirintos trevosos.
No entanto, uma rápida leitura no livro "O Consolador", de Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, nos alerta, surpreendentemente que a música, mesmo a que costumamos classificar de "inferior", também é expressão do Mais Alto, é Arte que a Providência Divina utiliza na remissão de espíritos endurecidos ou recalcitrantes.
Então, como valiosa lição, antes de criticar, abençoemos as ferramentas que o Pai coloca no mundo para resgatar seus filhos, ainda os mais difíceis e por caminhos para nós ainda incompreensíveis.
Diz Emmanuel que "todas as expressões de arte na Terra representam traços de espiritualidade, muitas vezes estranhos à vida do planeta.
Através dessa realidade, podereis reconhecer que a arte, em qualquer de suas formas puras, constitui objeto da atenção carinhosa dos invisíveis, com possibilidades outras que o artista do mundo está muito longe de imaginar." (O Consolador, parte II, Arte)
Então não é preciso gostar deste ou daquele gênero musical, mas também não os amaldiçoemos, condenando-os antecipadamente à perdição.
Toda Arte provém de Deus.
Que nosso coração se encha de alegria e gratidão pelos instrumentos divinos de regeneração do ser humano, sejam quais forem porque, se estão no mundo, não o estão por acaso, possuem uma finalidade, a qual um dia entenderemos. (Instituto André Luiz)





A fé sólida é aquela que pode encarar a razão, face a face” afirma Allan Kardec em O Livro dos Médiuns.
Fé sólida é crer que estamos todos sob os cuidados incessantes do Mais Alto e que por ela podemos prosseguir sem temor, afastando do coração amarras como a superstição, o fanatismo e o preconceito.
Tudo o que está aqui no mundo, é obra do Pai.
O mundo é belo e bom, e até onde as sombras parecem prevalecer, sob seu manto se escondem tênues fios de esperança aguardando o socorro do tempo para se fortalecer e se iluminar.
A paz que não encontramos muitas vezes se oculta sob o olhar de amor que não temos a coragem de dar.
Não é fácil deixar para trás concepções religiosas, morais e legais e que tiveram imenso peso em nossas vidas para abarcar o novo, mas evoluir é preciso.
Abandonemos em definitivo velhas amarras que não nos deixam enxergar o quão bela é a vida, mesmo que não pareça.
Isso não é castigo, é conhecimento que vai amadurecer nossa fé, é uma nova e bela lição que Deus concede a quem já tem condições de ver com o coração para compreender a vida com a Razão.
(Instituto André Luiz)