quarta-feira, 1 de julho de 2020


CASAMENTO
Vamos falar rapidamente sobre casamento? Recordando que ninguém casa "por acaso" com alguém, meditemos hoje que é possível sim, ser casado uma vida toda com a mesma pessoa e, apesar dos pesares cumprir com determinação e alegria (por que não?) o sagrado compromisso assumido ainda na Espiritualidade!
A ruptura do laço conjugal, através do divórcio ou da simples separação, não encontra respaldo e nem legitimidade nas leis divinas. Ter deixado de amar o parceiro/parceira e não apreciar mais a sua companhia, ou até por ter encontrado outra pessoa mais interessante, não dá a ninguém o direito de romper um compromisso que vai machucar - sempre machuca! o lado mais fraco da união (parceiro dependente, filhos, e etc.), atraindo para nós dívidas ainda mais pesadas. A missão maior do casamento é reaproximar afetos, é restaurar laços e dar suporte a espíritos anteriormente prejudicados por nós, muito provavelmente em situação análoga a atual. Eles surgem em nossa vida na forma de parceiro/parceira difícil, de filhos problema e demais familiares que se agregam a nós por ocasião do casamento para cobrar a paz que lhes devemos. Jamais encontraremos a felicidade rompendo compromissos por caprichos pessoais. Salvo condições excepcionais, onde o divórcio é aconselhado, seja pela violência de um dos cônjuges, seja por infidelidade ou maus tratos, o casamento deve ser preservado para que algemas se rompam - não pela força do abandono e da aversão, mas sim pela força do verdadeiro amor e que só existe na renúncia, na abnegação e no perdão. (Instituto André Luiz, 01/07/2020)

Nenhum comentário:

Postar um comentário